Já falei mal do F-35 hoje?


Para quem acompanha a novela do F-35, no último episódio havia sido revelado um relatório que mostrava que em simulações de combate aéreo em curta distância, o futuro caça americano perdia para uma aeronave de geração anterior. Justamente aquela que ele deveria substituir: o F-16.

Após uma enxurrada de críticas, o fabricante se manifestou alegando que a nova aeronave foi concebida para derrubar o avião inimigo a grandes distâncias, e que portanto não aconteceriam situações para um dogfight. Isso não acalmou os críticos.

antigo infográfico ilustrando o alcance do radar e misseis utilizados na família Flanker

Alguns argumentam que o radar do F-35 não é tão poderoso quanto o de um provável inimigo, o Su-35, e que seu equipamento é mais focado para alvos em terra, já que se trata de uma aeronave com vocação para o ataque. Mas convenhamos que "esse defeito" é algo que pode ser resolvido no futuro com a substituição do radar.

F-35 e seu motor
O que realmente "pega" é que no futuro caças modernos contarão com sensores de infra vermelho para detectar os caças furtivos pelo calor emitido. Agora olhe para a traseira do F-35. Se ele fosse uma mulher, poderíamos chamá-lo de "mulher melancia", se bem que com tantos problemas, esta mais para "mulher jaca".

F-22: repare na saída
O motor do novo caça não é nada discreto se comparado ao F-22. Sua saída é enorme e com certeza, deve emitir muito calor. Seria o F-35 detectado antes mesmo de detectar o seu inimigo? Fica agora a dúvida, se ele não é bom em dogfight conseguira superar seus inimigos no cenário além do alcance visual?

Conhece aquele ditado: Falem bem ou falem mal, mas falem de mim? Acho que esse será o novo slogan dessa aeronave...

Para maiores detalhes sugiro a leitura de: