Pesquise no Site

Aeronave de R$ 10 mi vai auxiliar no combate a incêndios no Amapá


GTA diz que helicóptero vai servir para ações além da segurança pública.
Recentes incêndios tiveram aeronaves emprestadas para apagar chamas.

O governo do Amapá  anunciou a compra de um helicóptero de R$ 10,3 milhões para o Grupo Tático Operacional (GTA), que passa a ter duas aeronaves. A outra é um monomotor entregue em 2013. O helicóptero, no entanto, apresenta a possibilidade de novas funções em desenvolvimento de operações, a exemplo do combate a incêndios, segundo o coordenador do GTA, Rubem Júnior.

"É uma aeronave multimissão, tanto para operações policiais, de busca e salvamento na água e selva, e instrumento de observatório de incêndios. É uma máquina para qualquer tipo de missão", comentou Júnior.

O último grande incêndio enfrentado no estado ocorreu por três meses entre 2014 e 2015 na reserva biológica Lago Piratuba, no município de Amapá, a 302 quilômetros de Macapá. Foram consumidos 7,5 mil hectares desde novembro de 2014, quando os primeiros focos foram registrados. O Instituto Chico Mendes (ICMBio) teve que emprestar um helicóptero do Instituto do Meio Ambiente (Ibama) do Pará para auxiliar no combate as chamas.

Criado em 2009, o GTA estava sem helicóptero desde 2011. A previsão de entrega do novo componente do hangar foi fixada em três meses, de acordo com a licitação feita pelo governo amapaense. O anúncio da compra ocorreu na sexta-feira (17) pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

A retomada da licitação aconteceu depois de a Justiça Federal mandar o governo do Amapá suspender o edital que resultou na compra de um helicóptero no fim de 2013. Indícios de irregularidades foram apontados pelo Ministério Público Federal (MPF). A conta corrente do Estado chegou a ser bloqueada para que não houvesse o pagamento a vencedora à época.

O valor da compra da nova aeronave foi acima dos R$ 7,2 milhões que o governo tinha em caixa para o helicóptero. O recurso é da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). O restante será completado pelo orçamento estadual, disse a Sejusp.

O governo argumentou o reembolso com possíveis gastos que teria com a manutenção de uma aeronave usada. Segundo o coordenador do GTA, Rubem Júnior, existem peças no helicóptero novo que a garantia da fabricante chega a dois anos. As revisões, no entanto, são feitas pelos seis mecânicos do Grupo Tático Operacional.


Em tempo: Realmente o preço assusta mas já noticiei por aqui coisas piores (veja aqui). Compras feitas SEM pregão eletrônico, daquelas que acontecem em reuniões presenciais que ninguém sabe quando ocorreram. Já vimos custos de manutenção superfaturados e por ai vai...  


Segue abaixo mais detalhes do processo de compra provenientes do portal do governo do AP:

Governo do Estado compra helicóptero zero quilômetro para o GTA

Em apenas seis meses, o governo recuperou os recursos desperdiçados na gestão anterior, sanou irregularidades e, com injeção de mais R$ 4 milhões, comprou um aeronave nova para o Grupamento Tático Aéreo.

O Governo do Amapá está em fase de conclusão do pregão eletrônico (modalidade licitatória para contratação de bens e serviços) para aquisição de um helicóptero para as operações do Grupamento Tático Aéreo (GTA), criado em 2006, período do primeiro mandato do atual governador Waldez Góes.

O procedimento de compra ocorreu no 15 de julho, na Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), mas a aquisição só pôde ser anunciada nesta sexta-feira, 17, depois que o governador fez gestão das contas públicas para garantir recursos complementares para a compra de um helicóptero zero quilômetro.

O projeto feito na gestão do ex-governador Camilo Capiberibe previa a compra de uma aeronave usada. Três empresas participaram da fase de lance, mas a melhor proposta foi da Helibrás, fabricante do Estado de Minas Gerais.

Os lances iniciais foram de R$ 18 milhões, para uma aeronave com três anos de fabricação e uso. A empresa que terminou o certame em segundo lugar deu lance de R$ 12 milhões, para um helicóptero também usado, fabricado no ano de 2009. E a melhor proposta foi da Helibrás, que deu lance mais baixo: R$ 10,92 milhões para um helicóptero novo, fabricado este ano e com zero hora de voo. A proposta levou a Sejusp a começar as fases de negociações com a empresa.

O lance final foi fechado em R$ 10,3 milhões, R$ 3,1 milhões a mais que o recurso do convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), que, com a contrapartida estadual, era de R$ 7,2 milhões para a aquisição de um helicóptero. O secretário de Justiça e Segurança Pública, Gastão Calandrini, então, apresentou a proposta ao governador Waldez Góes, que reuniu sua equipe econômica para verificar a possibilidade de complementar o recurso. Nesta sexta-feira, o chefe do Executivo deu a boa notícia.

Segundo Gastão Calandrini, a proposta é economicamente viável ao Estado por se tratar de uma aeronave nova. Em comparação às outras aeronaves, a economia é de R$ 2,5 milhões por ano, que seriam gastos em manutenção, já que elas já possuíam muitas horas de voo. Além disso, estes helicópteros teriam que ser adaptados para o serviço desenvolvido pelo GTA, o que geraria um custo médio adicional de R$ 3 milhões.

"Um helicóptero pertencente ao Governo é um grande avanço na área da segurança pública. Com a ferramenta, iremos melhorar os trabalhos dos órgãos e viabilizar o atendimento, principalmente em áreas de difícil locomoção", disse Calandrini.

O secretário também ressaltou o empenho do chefe do Executivo em articular, junto ao Governo Federal, a recuperação do recurso que havia sido deixado por ele mesmo nos cofres do Estado em 2010.

Calandrini lembrou que a gestão anterior, durante três anos, não executou o convênio e só deu continuidade às vésperas do prazo final dado pela Senasp para a compra da aeronave. Uma auditoria também investiga o sumiço do recurso – R$ 7,2 milhões – que desapareceu da conta da Sejusp às vésperas do fim do mandato passado.

"Em apenas seis meses, com gestão política do governador Waldez, nós conseguimos resgatar o convênio, conseguimos retomar o recurso e ainda injetar mais um complemento para que a segurança pública do Amapá tenha uma aeronave própria e não mais alugada", evidenciou Calandrini.

O processo de compra vai ser analisado pela Procuradoria Geral do Estado (PGE). A resposta ocorrerá dentro de 15 dias. Caso esteja dentro da legalidade, será liberada a compra. Em seguida, a empresa tem até três meses para a entrega da aeronave.


Em tempo: Estamos de olho...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...