Helicóptero que caiu com filho de Alckmin tinha componentes desconectados


Matérias relacionadas ao assunto publicadas pela mídia posteriormente
Para entender melhor o caso, veja a matéria original abaixo

São Paulo, 02/6/15 - Dois componentes fundamentais para o piloto controlar a aeronave estavam desconectados no voo do helicóptero que caiu em Carapicuíba, na Grande São Paulo, no dia 2 de abril e que resultou na morte de cinco pessoas, entre elas Thomaz Alckmin, filho mais novo do governador de São Paulo.

Relatório divulgado nesta terça-feira, 2, pela Força Aérea Brasileira (FAB) mostra que os "controles flexíveis" e as "alavancas", componentes mecânicos que ficam entre o motor e o rotor do helicóptero, estavam desconectados já antes da decolagem. Ainda não se sabe o porquê.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), que conduziu as investigações, afirmou no relatório que o exame dos destroços demonstra que os danos encontrados nos motores, transmissão principal e de causa, pás do rotor principal e demais componentes foram consequências, e não causas do acidente.

Pelas características da queda, que ocorreu de forma brusca, a primeira hipótese levantada era de que uma das cinco pás que formam a hélice teria se rompido.

O voo do dia 2 de abril foi o primeiro dessa aeronave após quase dois meses de intervenções previstas de manutenção. As evidências apontam que o comandante estava pilotando o helicóptero em todas as fases do voo.

Acidente

O filho mais novo do governador Geraldo Alckmin, Thomaz Rodrigues Alckmin, morreu em acidente de helicóptero que ocorreu em Carapicuíba, às 17h10 de 2 de abril, em um condomínio localizado na altura do km 26 da Rodovia Castello Branco.

A aeronave chegou a atingir uma casa em construção, mas ninguém em solo ficou ferido. Ele tinha 30 anos e era piloto de helicóptero. Auxiliares do governador informaram, no entanto, que Thomaz estava como copiloto no momento do acidente. Além do filho do governador, outras quatro pessoas morreram.