Pesquise no Site

Aeronave da família Riva é apreendida pela justiça


Avião de ex-deputado preso em MT é apreendido para ressarcir danos à AL

Aeronave pertence a José e Janete Riva e está avaliada em R$ 1 milhão.
Apreensão faz parte da segunda fase da Operação Imperador, do Gaeco.

A Justiça mandou apreender um avião do ex-deputado estadual José Riva, preso acusado de liderar suposto esquema que desviou R$ 62 milhões da Assembleia Legislativa de Mato Grosso. A aeronave, Piper Aircraft modelo PA-31T2, também pertence à mulher de Riva, Janete, e é avaliada em R$ 1 milhão, conforme declaração dela à Justiça Eleitoral em 2014. 

A apreensão faz parte da 2ª fase da Operação Imperador, do Gaeco. O sequestro foi decretado pela juíza Selma Rosane dos Santos Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado de Cuiabá (7ª Vara Criminal). A determinação foi para ressarcir parte do prejuízo causado por desvio de dinheiro público no Poder Legislativo mato-grossense, segundo informou o Gaeco.

A prisão de Riva ocorreu no dia 21 de fevereiro, durante a primeira fase da operação. O G1 ligou para os advogados de Riva, mas eles não atenderam as ligações.

O avião está no Ciopaer, em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá. Riva e Janete foram denunciados pelo Ministério Público do Estado, com outras 13 pessoas, de formarem uma quadrilha que teria fraudado licitações para desviar recursos da ALMT. 

O processo, que foi desmembrado, tramita na Vara Contra o Crime Organizado. A ação está na fase de instrução. Único réu preso, o ex-deputado deverá prestar depoimento no dia 9 de junho.

No ano passado, outra aeronave da família Riva foi roubada, e os pilotos sequestrados, durante a campanha de Janete ao governo do estado. Ela assumiu a candidatura do marido depois que ele foi barrado pela Lei da Ficha Limpa. 

José Riva já foi condenado por improbidade administrativa no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e responde a mais de 100 ações, entre cíveis e criminais. O ex-deputado está preso preventivamente no Centro de Custódia de Cuiabá a mando a juíza Selma Rosane, para que não atrapalhe o andamento processual. 

Ele já teve pedidos de soltura negados pela Justiça de Mato Grosso, Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF). Um pedido de habeas corpus ainda tramita no STJ e outro de revogação da prisão corre na 7ª Vara Criminal.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...