Saudia cancela contrato com Hi Fly por causa de um pouco em Tel Aviv


Arábia Saudita Airlines cancela contrato com a portuguesa Hi Fly

Motivo: uma aterragem no aeroporto de Israel para manutenção. Segundo a companhia saudita, o contrato com a Hi Fly só prevê operações em Estados com os quais o país árabe tenha relações diplomáticas.

A Arábia Saudita Airlines anunciou o fim do contrato que tinha com a empresa portuguesa de aviação Hi Fly, que se dedica ao aluguer de aeronaves, com serviços de manutenção, tripulação e seguro incluídos, depois de um dos seus aviões, que não estava a realizar nenhuma rota, ter sido visto a receber manutenção no aeroporto de Ben Gurion, em Israel. A paragem em solo israelita, diz a companhia aérea estatal árabe, não estava autorizada.

A notícia, avançada pela imprensa saudita este domingo, dá conta de que o incidente diplomático aconteceu na quarta-feira, quando a companhia aérea sediada em Lisboa submeteu o avião ao habitual tratamento de manutenção mas no principal aeroporto israelita.

De acordo com a Arábia Saudita Airlines, ao levar o avião a Tel Aviv, a Hi Fly cometeu uma “violação flagrante” do contrato, que diz que a empresa de aluguer de serviços de aviação tem de especificar para que aeroportos vai e em que aeroportos mantém os seus aparelhos, decisão que requer uma aprovação escrita prévia

Segundo se lê no contrato, firmado entre a Arábia Saudita Airlines e a Hi Fly, e citado pela Arab News, “qualquer processo de aterragem ou operação de manutenção deve decorrer num país que partilhe relações diplomáticas com o Reino da Arábia Saudita, para permitir que a equipa técnica saudita e as autoridades de Aviação Civil possam acompanhar as operações de perto, sempre que for preciso”. 

A Arábia Saudita não tem ligações oficiais com Israel e faz inclusive parte dos países responsáveis pelo boicote árabe a Israel desde os anos 1970.

De acordo com a Arab News, a companhia aérea estatal saudita tomou a decisão de cancelar o contrato depois de a aeronave árabe ter despertado forte atenção dos media e dos curiosos junto ao aeroporto israelita. 

Em comunicado, reagindo ao incidente, a Arábia Saudita Airlines explica que o desvio para Tel Aviv não estava previsto, na medida em que a única informação que a companhia tinha era de que o aparelho ia sair do país no dia 3 de maio, domingo, rumo a Bruxelas, onde deveria receber manutenção.

“O avião estava fora de serviço, e sob a alçada da companhia que o detém [a Hi Fly], na altura em que deixou a Arábia Saudita no domingo, 3 de maio, para ir para Bruxelas, Bélgica, para uma operação de manutenção de rotina”, escreve a companhia aérea em comunicado. Tratava-se de um Airbus A330, que aterrou em Bruxelas, antes de ir, sem passageiros a bordo, para o aeroporto internacional de Ben Gurion, Isarel.

Do outro lado, o argumento é de que o avião foi para Israel para receber serviços de manutenção por parte de uma empresa contratada pela Industria de Aviação de Israel, que confirma a chegada do aparelho na quarta-feira e que garante que a operação se trata de rotina e integra um serviço habitualmente providenciado àquele fabricante de aeronaves.