Isso a Globo não mostra: Para voltar a voar, Frattini recebe ajuda de amigos


Para voltar a voar, piloto suspenso pela ANAC recebe ajuda de amigos

Osmar Frattini pilotava a aeronave que fez pouso forçado com família de Luciano Huck

Conhecido nacionalmente desde o último domingo (24), o piloto Osmar Frattini, de 52 anos, está recebendo ajuda de amigos e colegas da aviação para voltar a exercer a profissão. Isso porque em razão do acidente aéreo sofrido por ele e pela família de Luciano Huck, a 30 quilômetros de Campo Grande, o piloto teve a habilitação suspensa.

A suspensão faz parte dos procedimentos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e Frattini só poderá voar novamente depois de passar por uma bateria de exames, por um programa de treinamento e por exame de perícia em simulador de voo.

Alguns exames, por exemplo, só são feitos fora de Campo Grande e isso significa que o piloto precisa arcar com todos os procedimentos para voltar a exercer a profissão.

O que se sabe até agora é que nenhuma ajuda de custo ou sequer contato foi feito pela empresa que Osmar atuava, a MS Taxi Aéreo. A reportagem tentou, inclusive, contato com a direção da empresa para mais detalhes sobre a situação do piloto e da aeronave, no entanto, nenhuma ligação foi atendida.

Enquanto a empresa não se posiciona, amigos liderados por piloto campo-grandense que atualmente trabalha em grande empresa de aviação se unem para ajudar Fratiini. Além de amigos do piloto, colegas que já atuaram ou atuam na aviação estão arrecadando recursos para auxiliar Osmar, a mulher e os dois filhos.

Lucilene Gonçalves, mulher do piloto, confirmou à reportagem que o grupo está juntando dinheiro para auxiliar Frattini, no entanto, em razão da investigação feita pela Aeronáutica, Osmar não poderia conceder entrevistas.

SUSPENSÃO

De acordo com as normas da ANAC, todo profissional da aviação que se envolve em acidente ou incidente aeronáutico tem o Certificado de Capacidade Física (CCF) e todas as habilitações suspensas.

A revogação da suspensão só ocorre se o piloto for considerado apto em nova inspeção de saúde, realizar treinamento periódico, readaptação de voo em aeronave do mesmo modelo daquela na qual ocorreu o acidente além de ser aprovado em exame de perícia em simulador ou em voo, por inspetor de aviação civil.

PERÍCIA

Investigadores do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA IV) fizeram até ontem perícia na fazenda onde o Embraer 820-C deslizou em pastagem depois de sofrer obstrução na bomba de combustível e perder potência.

O local permanece isolado na Fazenda Palmeira, às margens da MS-080. Dois investigadores, um oficial da Base Aérea de Campo Grande e um engenheiro da Embraer acompanharam o trabalho inicial de investigação. Este inclui coleta de amostras de combustível, óleo do motor, filtros, fotos de detalhes da aeronave, entrevista com testemunhas e levantamento de evidências.

ACIDENTE

O avião modelo Embraer 820-C apresentou uma pane no motor. A aeronave havia decolado de uma estância turística em Miranda, no domingo (24), com previsão de pousar no aeroporto de Campo Grande. Huck e os filhos viajaram para o Pantanal para acompanhar uma série de gravações de Angélica para o programa semanal "Estrelas", da Rede Globo.

Atendido na Santa Casa da Capital, o casal foi transferido em duas aeronaves de UTI Aérea para o hospital Albert Einstein, em São Paulo, na noite de ontem. Huck teve uma fratura na 11ª vértebra torácica. Já Angélica sofreu estiramento muscular na região cervical e lesão na musculatura da parede abdominal e pélvica. Os três filhos, duas babás e a tripulação do voo não tiveram ferimentos graves.