Destroços de nave 'descontrolada' devem cair na Terra nesta sexta-feira


Cargueiro Progress M-27M deve se desintegrar na atmosfera, diz agência.
Apenas pequenas peças atingirão a superfície, segundo a Roscosmos.

A nave de carga russa Progress M-27M, que está descontrolada desde a última semana, quando apresentou problemas na tentativa de alcançar a Estação Espacial Internacional, deve entrar na atmosfera terrestre na próxima sexta-feira (8), segundo a agência Roscosmos.

Apenas destroços devem atingir a superfície da Terra, mas o local da queda ainda é incerto. Segundo a EFE, citando a "RIA Novosti", uma fonte do setor aeroespacial disse que "até 24 horas antes [da queda], o lugar só poderá ser determinado com uma grande margem de erro".

Além disso, a fonte tranquilizou sobre o potencial perigo representado pela queda do cargueiro de fabricação russa, que sofreu sua primeira avaria em quatro décadas. "Todos os fragmentos que podem representar uma ameaça não chegarão (à Terra), já que se desintegrarão nas camadas densas da atmosfera", disse.

De acordo com o Comando Americano de Defesa Aeroespacial (Norad, na sigla em inglês), a nave espacial russa cairá em nosso planeta na sexta-feira e em águas do oceano Pacífico, perto do litoral americano, por volta das 10h30, hora de Brasília.

A corporação espacial Energuia, fabricante dos cargueiros, previu desde o primeiro momento que a Progress cairia entre 5 e 7 de maio, mas insistiu que ela não representa risco, já que a maioria de suas partes serão queimadas ao entrarem em contato com a atmosfera.

Problema na telemetria

A Roscosmos afirma que o voo desde o Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, até o espaço, ocorreu normalmente. Porém, 1,5 segundo antes da separação da nave do veículo lançador, houve perda de dados do sistema de telemetria (responsável por enviar informações para a Terra).

"Quando os dados foram recuperados, o tempo para a separação já havia passado", explicou a agência, que tentou ancorar de forma segura a nave não-tripulada na Estação Espacial, mas o plano foi descartado por apresentar riscos.

As naves Progress, usadas há 35 anos, estão entre os grandes orgulhos da indústria aeroespacial russa, com um histórico praticamente imaculado: até agora só tinham sofrido um acidente, em agosto de 2011, por uma falha do foguete portador.

Um relatório será elaborado até 13 de maio e nele estará a conclusão sobre o que provocou a falha em um dos processos do lançamento.

Com 2,5 toneladas de suprimentos, a nave deveria chegar à plataforma internacional seis horas depois de sua decolagem. Ela carrega combustível, oxigênio, alimentos, equipamentos científicos para os astronautas. Após a perda, cujo custo é estimado em até US$ 90 milhões, o próximo cargueiro em direção à ISS sairá da Terra no 3º trimestre deste ano.

De qualquer forma, os astronautas têm provisões suficientes para continuar com sua vida no espaço, apesar do incidente com a Progress.