Aeronave movida a energia solar adia voo sobre Oceano Pacífico


Devido ao mau tempo, os responsáveis pelo avião Solar Impulse 2, que tenta dar a volta ao mundo utilizando apenas energias alternativas, decidiram adiar para uma data ainda não definida a sétima etapa da viagem, na qual a aeronave deve atravessar grande parte do Oceano Pacífico.

Em comunicado, a equipe do Solar Impulse 2 explicou que o tempo no Pacífico é instável demais e que o céu encoberto na região poderia afetar o processo de recarga das baterias que alimentam o aparelho.

"Uma combinação de fatores colocam este voo em risco", ressaltaram os responsáveis pelo projeto, que explicaram que, devido ao mau tempo, um voo que inicialmente está previsto para durar cinco dias e cinco noites poderia se prolongar a até uma semana, "colocando o piloto em condições extremas".

Após mais de um mês em Nanquim (leste da China), a equipe do Solar Impulse 2 anunciou na segunda-feira (25) que o avião decolaria em direção ao Havaí, mas o plano foi abortado pouco antes de ser executado. O avião solar chegou a Nanquim no dia 21 de abril após passar por Chongqing (centro da China).

As dificuldades climáticas se juntam a uma longa distância de oito mil quilômetros de voo, o que supera a soma das seis etapas anteriores, nas quais o Solar Impulse, que partiu de Abu Dhabi no 9 de março, voou seis mil quilômetros.

A aeronave, alimentada com mais de 17 mil placas solares, tem por objetivo completar a volta ao mundo em 12 voos, que já incluíram até o momento escalas em Mascate (Omã), Ahmedabad e Varanasi (Índia), Mandalay (Mianmar), Chongqing e Nanquim (China).