A bruxa esta solta para os esportes radicais

Click para acessar o Youtube
Um base jumper de 73 anos morreu ao tentar um salto acrobático de uma ponte com o paraquedas em chamas nos Estados Unidos.

Um base jumper de 73 anos morreu ao tentar um salto acrobático de uma ponte com o paraquedas em chamas nos Estados Unidos. James Hickey tentou o salto a partir da ponte Perrine, no Estado americano do Idaho. A ponte fica a 150 metros de um rio. O salto ocorreu em 7 de maio.

Um vídeo postado no YouTube mostra o salto do americano, o momento em que o paraquedas se transforma em uma bola de fogo e quando ele finalmente atinge o rio. O plano de Hickey aparentemente era se livrar do paraquedas em chamas durante o salto e abrir um segundo.

No vídeo é possível ver dois base jumpers subindo nas grades da ponte e saltando juntos. Mas, enquanto um dos paraquedistas desliza pelo ar em segurança com o paraquedas aberto, o outro é envolvido por uma bola de fogo e cai rapidamente até sair de vista.

No relatório inicial da polícia da cidade de Twin Falls, onde fica a ponte, não foi mencionado fogo. Os policiais afirmaram que o paraquedas de Hickey abriu cedo demais. Segundo o relatório do legista, Hickey morreu devido a um trauma forte.

Polêmica

Os esportes radicais se transformaram em alvo de polêmica recentemente depois que Dean Potter, um dos atletas destas modalidades mais destemidos e conhecidos do mundo, morreu durante um voo de wingsuit, uma espécie de macacão com asas, na Califórnia no domingo.

Além do experiente e renomado Potter, de 43 anos, outro famoso atleta, Graham Hunt, de 29 anos, também morreu. Os dois tentavam passar em alta velocidade por uma abertura estreita saltando do penhasco Taft Point, à beira de um cânion no Parque Nacional de Yosemite, a uma altura de 2,3 mil metros.

Potter e Hunt estavam praticando salto de base jump. A palavra base, da modalidade base jump, é uma abreviação das palavras em inglês building, antenna, span e earth, que se referem aos diferentes pontos fixos dos quais a pessoa pode se lançar, respectivamente, edifício, antena, o vão de uma ponte e um rochedo.

O esporte é ilegal em muitos lugares, mas na ponte Perrine, em Twin Falls, os saltos são permitidos, não é preciso nem obter uma autorização. Centenas de pessoas saltam da ponte todos os anos e é comum haver feridos.

No dia 9 de março, o canadense Bryan Turner morreu depois de saltar da ponte, pois o paraquedas que ele usava não abriu totalmente. Uma semana depois da morte de Hickey, Carla Segil, da Califórnia, teve que ser resgatada depois que seu paraquedas ficou enroscado na estrutura de apoio, embaixo da ponte. A paraquedista de 26 anos ficou pendurada durante cerca de meia hora.