Vazou


Após denúncia, Anac notifica Azul por vazamento de formol em avião

"Explicaram que alguém despachou líquido na bagagem", afirma passageira.
Empresa tem 10 dias para prestar esclarecimentos sobre caso para agência.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) notificou nesta terça-feira (7) a Azul Linhas Aéreas a prestar esclarecimentos sobre o suposto vazamento de formol que teria ocorrido no voo 2421. De acordo com a bailarina Marcella Gozzi, de 28 anos, o líquido tóxico e inflamável foi derramado nas malas de alguns passageiros que estavam na aeronave que seguia de Belo Horizonte (MG) para Campinas(SP) na madrugada de quinta-feira (2). 

Após o recebimento do ofício, a empresa terá dez dias para comprovar que não houve irregularidades às normas de aviação civil. Se confirmada a infração, ela poderá ser autuada e multada.

Na sexta-feira (3), a passageira que fez a denúncia retornou ao aeroporto para fazer uma manifestação do ocorrido junto à Anac. No entanto, a agência informou ainda, que mesmo antes do documento feito por Marcella, já tinha conhecimento do caso, por isso, paralelamente está coletando informações junto aos envolvidos para verificar o que de fato aconteceu.

A Azul informou ao G1 que segue investigando o caso relatado pela passageira e que ainda não foi notificada oficialmente pela Anac.

Vazamento de formol

A passageira relatou que o líquido tóxico e inflamável foi derramado nas malas de algumas pessoas que estavam no voo 2421. De acordo com Marcella, o cheiro forte do formol já podia ser sentido dentro da aeronave, além de uma ardência nos olhos.

No entanto, segundo a jovem, ao retirar a bagagem na esteira, ela afirma ter ouvido alguns passageiros relatarem que as malas estavam molhadas. Ela conta que pegou a mala e foi para o carro com a mãe.  Após duas tentativas de ficar dentro do veículo e começar a passar mal, decidiu voltar para o aeroporto.

"Já não tinha quase ninguém no aeroporto. Uma atendente viu, a gente abriu a mala na frente dela e ela viu que tava tudo molhado. Inclusive, ela foi para o ambulatório do aeroporto porque passou mal na hora. Ninguém conseguia ficar perto da mala", destaca.

No entanto, a jovem conta que quando foi denunciar o problema, ficou sabendo que funcionários da Azul que retiravam as cargas da aeronave estavam passando mal por causa do formol. "Aí, eles mesmo acionaram a brigada de incêndio. 

A funcionária que me atendeu explicou que o líquido derramado na aeronave foi água, e que na bagagem de algum passageiro tinha formol. Alguém despachou formol e isso se espalhou e deve ter misturado com a água", afirma.

Segundo a bailarina, após constatar o problema com a sua mala, a Azul disse que poderia apenas enviar a bagagem para ser higienizada.

Sem ressarcimento

Marcella destaca ainda que não foi ressarcida do prejuízo e do risco a que foi exposta, além do constrangimento de ter todas as suas peças íntimas expostas no aeroporto. Ela ressalta que a empresa não queria nem relatar os bens que estavam na mala, já que esse não seria um procedimento padrão e que isso só foi feito após muita insistência.

"É impossível 20 ml de formol ter causado isso. Eles viram que tava na aeronave. Falaram que a minha foi mais atingida porque tava do lado de quem tava levando. Eu disse se ela [atendente] 'sabia que a venda e uso de formol é proibido?' Formol é inflamável, podia ter explodido o avião", finaliza.

Investigação

A concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, que administra o local, informou na sexta-feira que o manuseio de bagagens é de responsabilidade das companhias aéreas. E informou que só se responsabiliza pela estrutura, como o funcionamento das esteiras.

De acordo com o aeroporto, há uma equipe médica para atender os passageiros, mas nenhum atendimento foi registrado no dia da ocorrência. Apesar disso, os bombeiros foram chamados, fizeram análise do líquido e identificaram que o produto não seria nocivo para a saúde.