Filho mais novo de Alckmin morre em queda de helicóptero em Carapicuíba


Thomaz Alckmin, um dos filhos do governador de SP, tinha 31 anos.
Cinco pessoas morreram no acidente (2/4).
Atualizações
  • Câmera registra queda de helicóptero que matou filho de Alckmin. Globo
  • Pás foram vistoriadas e recolocadas sem troca em helicóptero, diz Helibrás. Aerofatos
  • Testemunha diz ter visto pá sair e bater na lateral de helicóptero. G1
  • JN mostra hangar onde helicóptero que caiu passou por manutenção. G1
  • Empresa confirma reinstalação de pás em helicóptero. Exame
  • Novo vídeo mostra queda de helicóptero que matou filho de Alckmin em SP. R7
  • Acidente que matou filho de Alckmin foi o 4º com modelo. G1
  • Helicóptero voou por 12 min e voltava para base antes de cair na Grande SP. G1
  • Falha em peça pode ter causado queda de helicóptero em Carapicuíba. G1
Entenda o caso

O filho mais novo do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Thomaz Rodrigues Alckmin, de 31 anos, morreu nesta quinta-feira (2) na queda de um helicóptero em Carapicuíba, na Grande São Paulo. Cinco pessoas morreram no acidente.

O helicóptero da empresa Seripatri caiu sobre uma casa em Carapicuíba, nesta tarde, sem deixar sobreviventes. Além do caçula de Alckmin, também morreu o piloto Carlos Esquerdo. A empresa não divulgou a lista completa com o nome de todas as vítimas.

O acidente ocorreu por volta das 17h20, segundo os bombeiros. A Seripatri informou, em nota divulgada às 19h11, sem listar nomes, que um piloto e três mecânicos faziam um voo de teste depois de uma manutenção preventiva. A confirmação de que houve uma quinta vítima só foi divulgada pelos bombeiros por volta das 20h30.


Thomaz Alckmin trabalhava como piloto e também estava na aeronave. Ele era casado desde 2011 com a arquiteta Thais Fantato. Ele deixa duas filhas, uma de 10 anos e outra recém-nascida, com aproximadamente um mês.

Em nota oficial, o governo lamentou o acidente e prestou solidariedade às famílias das demais vítimas

A mãe de Thomaz, Lu Alckmin, estava em Campos do Jordão e chegou por volta das 21h50 ao Palácio dos Bandeirantes. Alckmin estava em viagem pelo interior do estado e voltou para contar pessoalmente a ela sobre a morte do filho.

Em fevereiro do ano passado, Thomaz e a filha dele ficaram no meio de um tiroteio após serem abordados por criminosos na região do Morumbi. Eles estavam em um carro sem blindagem quando outro veículo parou na frente, impedindo a passagem, e quatro homens saíram armados.

O filho do governador estava acompanhado por um carro de escolta. Os policiais militares reagiram e houve troca de tiros com os criminosos.


Thomaz e a filha foram retirados do local em segurança, sem ferimentos. Os criminosos fugiram em seguida. Em 2002, ele já havia sido alvo de criminosos. Um PM que fazia a segurança de Thomaz foi baleado e morreu após trocar tiros com bandidos na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo.

Queda sobre casa

Após o impacto, a cauda da aeronave ficou sobre a residência e a maior parte do helicóptero caiu no chão, entre as árvores. Não há relato de feridos entre as pessoas que estavam nas imediações. O condomínio fica na altura do km 26 da Rodovia Castello Branco.

De acordo com a Associação de Moradores do condomínio Fazendinha (AMAF), em Carapicuíba, a queda aconteceu dentro do condomínio, e atingiu o telhado de uma casa em reforma. Segundo a AMAF, os moradores não estavam no local.

Acidente será investigado

A Aeronáutica informou, por meio da assessoria de imprensa, que está apurando o caso para divulgar as informações sobre o acidente.


A aeronave estava com a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia e com o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido. A aeronave da marca Eurocopter, modelo EC 155, tinha prefixo PPLLS, e matrícula PPLLS.

Em fóruns especializados em aviação, pilotos repercutiram o acidente e relataram que o filho do governador estava como co-piloto do helicóptero. A aeronave fazia um voo teste de balanceamento após a troca de uma pá do rotor principal.

Nota do governo do estado

"O governo de São Paulo informa, com imenso pesar, que Thomaz Rodrigues Alckmin, o caçula dos três filhos do governador Geraldo Alckmin, e de dona Lu Alckmin, é uma das cinco vítimas da queda do helicóptero EC-155 ocorrida na Grande São Paulo na tarde desta quinta-feira. Thomaz tinha 31 anos e era piloto profissional de aeronave. Ele deixa esposa, Taís, duas filhas, Isabela e Júlia, e os irmãos Sophia e Geraldo Alckmin Neto.


Sob o impacto dessa tragédia, a família Alckmin, inconsolável, agradece as manifestações de pesar e carinho e busca conforto na fé que sempre a alimentou. Seus pensamentos e preces se estendem às famílias das outras vítimas.

Informações sobre velório e enterro serão divulgadas oportunamente, tão logo estejam definidas."

Nota da empresa dona do helicóptero

"A Seripatri lamenta profundamente a morte dos quatro ocupantes do helicóptero de propriedade da empresa, em um trágico acidente na Grande São Paulo, na tarde desta quinta-feira (2/4). Ocupavam a aeronave o piloto da empresa, com mais de 30 anos de experiência, e o mecânico, também funcionário da Seripatri. 

Os outros dois ocupantes eram mecânicos da Helipark, empresa de manutenção. O acidente ocorreu durante voo de teste, após a aeronave passar por manutenção preventiva. O helicóptero, da marca Eurocopter, modelo EC 155, prefixo PPLLS, tinha cerca de quatro anos de uso, com aproximadamente 600 horas de voo e estava com sua documentação e manutenção rigorosamente em ordem. Neste momento de luto e enorme tristeza para todos, a Seripatri está prestando toda a assistência necessária aos familiares das vítimas, bem como já destacou profissionais para acompanhar junto às autoridades as investigações das causas do acidente."



Vítimas:

Carlos Haroldo Isquerdo Gonçalves
Tinha 53 anos e era o piloto do helicóptero. Segundo a empresa, tinha mais de 30 anos de experiência e era funcionário da Seripatri.

Paulo Henrique Moraes
Tinha 42 anos e era mecânico e funcionário da Seripatri

Thomaz Alckmin
Tinha 31 anos. Filho do governador Geraldo Ackmin, era piloto profissional e estava na aeronave. A empresa ressaltou que ele não atuava como copiloto, função que não é prevista na operação da aeronave.

Erick Martinho
Tinha 36 anos e era mecânico da Helipark, empresa de manutenção.

Leandro Souza
Tinha 34 anos e era mecânico da Helipark, empresa de manutenção. Deixa a mulher, de 33 anos, e  um filho, de 9. "Era muito trabalhador. Sempre procurou estudar para estar nessa profissão. Era o sonho dele", diz uma prima da esposa, Tatiana de Carvalho Barbosa. Segundo ela, ele se preparava para ser supervisor de manutenção.