Empresários tentam recuperar aviões localizados na Bolívia após roubo


Donos reclamam da burocracia para repatriar aeronaves roubadas.
Uma delas foi levada por assaltantes no aeroporto de Cotriguaçu (MT).

Duas aeronaves roubadas em Cotriguaçu, a 920 km de Cuiabá, e em São Félix do Xingu (PA) foram localizadas na Bolívia pelos respectivos proprietários. Agora, eles reclamam da burocracia para conseguir trazer os aviões de volta para o Brasil. 

Cada aeronave é avaliada em R$ 500 mill. No mês passado, o empresário e piloto Sidnei Laurindo de Souza foi vítima de uma emboscada e teve a aeronave, modelo Cessna 210, levada por assaltantes na pista do aeroporto municipal de Cotriguaçu.

O avião dele foi localizado em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia. A informação foi passada a ele pela própria polícia boliviana. Sidnei disse que a aeronave está no aeroporto 'El Trompillo', em poder da Força Aérea do país vizinho, e foi apreendida junto com outros dois aviões que também teriam sido roubados. 

"Entrei em contato com o consulado do Brasil em Santa Cruz, me informaram que o responsável não estava e, agora, estou arrumando as documentações para ir até lá", afirmou o piloto que mora em Aripuanã, a 976 km da capital mato-grossense.

Ele reclama também do valor das taxas cobradas. Uma delas custa R$ 1,5 mil. Foi dado entrada na documentação no consulado brasileiro na cidade de Cobija, na  Bolívia e no consulado boliviano em Epitaciolândia, no Acre.


O G1 entrou em contato com a Embaixada da Bolívia no Brasil para obter informações sobre as medidas a serem tomadas para reduzir essa burocracia entre estados, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. Já a Embaixada do Brasil na Bolívia, o responsável por repassar informações em nome do órgão estava em horário de almoço.

O roubo da aeronave foi no dia 7 deste mês quando Sidnei foi até Cotriguaçu atendendo a uma chamada para o transporte de um paciente. No entanto, assim que pousou o avião na pista, ele foi surpreendido por dois homens armados. "Eles mandaram que eu olhasse para baixo e apontaram a arma para mim. Eu estava com o segredo do avião no bolso e eles mandaram que eu funcionasse a aeronave. Se não, iriam atirar em mim", contou.

O crime foi cometido por pelo menos oito homens. Alguns seguiram com o empresário até uma estrada e o abandonaram amarrado no veículo. Depois de algum tempo, a vítima conseguiu se soltar e de caminhonete com pneu furado, foi até a cidade e registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil.

A mesma burocracia para a repatriação de uma aeronave roubada no Brasil é enfrentada pelo empresário André Ronaldo Nogueira Costa, que teve o monomotor Cessna 206 roubado, em São Félix do Xingu (PA), em fevereiro deste ano. O avião dele está em Santa Ana Del Yacuma, também na Bolívia. Ele já foi até lá e certificou que a aeronave localizada pela polícia boliviana é mesmo a dele.

O avião foi localizado por ele com o apoio da Força Aérea Brasileira quando ainda estava em poder de traficantes de drogas, na última segunda-feira (20). "Tinham me falado os locais que eles [traficantes] costumam atuar, daí fui até lá e o encontrei em uma pista de pouso da cidade. Fizeram alterações dentro do próprio aeroporto. A pessoa que estava com o avião seria um dos maiores traficantes daquela região", contou. Porém, agora ele reclama dos empecilhos para conseguir reaver o veículo.

O avião foi apreendido pela polícia nesta terça-feira (21). "Preciso da ajuda do governo brasileiro para trazê-lo porque na Bolívia me deram várias desculpas e não definiram nada", afirmou André. 

O roubo ocorreu depois da empresa de táxi aéreo ter sido contratada para supostamente transportar um casal de idosos. "Quando o piloto chegou lá, o rapaz que tinha ido junto disse que os avós ainda não tinham chegado. Depois, doparam o piloto e levaram o avião", contou. Os suspeitos do roubo foram presos no início do mês passado, em Rolim de Moura (RO).