Pesquise no Site

35 anos depois...


Corte confirma que avião da Itavia foi abatido por míssil

A Corte de Apelação de Palermo confirmou nesta quarta-feira (08) que o avião Dc-9 da Itavia, que caiu em 1980, foi derrubado por um míssil. A sentença exclui que uma bomba tenha sido colocada a bordo ou que tenha existido algum problema técnico que causou a desintegração da aeronave.   

Ainda de acordo com o Tribunal, os Ministérios do Transporte e da Defesa têm responsabilidade no acidente porque não providenciaram as condições de segurança para que o avião fizesse seu percurso. Nas motivações, os magistrados afirmaram que outra aeronave interceptou a rota do voo do Dc-9 e lançou um míssil contra ele.  

Porém, a autoria do ataque não foi atribuída a ninguém. O advogado dos parentes das 81 vítimas do atentado, Daniele Osnato, afirmou que "com as quatro sentenças, a Corte de Apelo de Palermo fechou, definitivamente, o caso" e disse que "não há dúvidas de que o Dc-9 foi abatido por um míssil". Osnato também chamou a ação de um "ato de guerra não declarado" e disse que a sentença judicial "é uma verdade processual que coincide com a realidade dos eventos". 

A sentença é uma resposta aos apelos apresentados pela Advocacia Geral da União em quatro processos sobre a queda. Os juízes afirmaram que o ressarcimento pela reparação da triagem prescreveu, mas que os atingidos pela tragédia devem ser ressarcidos por "fato ilícito". A nova audiência foi marcada para o dia 7 de outubro.    -

A aeronave Dc-9 da companhia aérea Itavia caiu em Ustica, na região da Sicília, na noite do dia 27 de junho de 1980 e deixou 81 mortos. As causas do acidente nunca foram de fato esclarecidas, mesmo com dezenas de investigações das autoridades italianas.    

Em 2007, o ex-presidente italiano Francesco Cossiga chegou a dizer que o avião tinha sido alvo de mísseis internacionais, provavelmente franceses, que tentavam atingir o voo do ex-ditador líbio Muamar Kadafi - que estava a pouca distância do avião da Itavia.    

No ano passado, a Corte de Cassação da Itália - instância judicial máxima - concordou com a tese do míssil e determinou a abertura de um novo processo civil no qual devem ser constatadas as responsabilidades dos Ministérios no acidente e, consequentemente, no fechamento da companhia aérea.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...