Movido a óleo de "flango flito"!


Aérea chinesa faz 1º voo comercial movido a óleo de cozinha do país

Óleo foi recolhido em restaurantes chineses.
Hainan Airlines foi a 3º no mundo a voar com biocombustível.

Uma companhia aérea chinesa completou neste sábado (21) o primeiro voo comercial do país abastecido com um biocombustível feito à base de óleo de cozinha. A iniciativa ocorre em um momento em que o governo busca promover ações de sustentabilidade ambiental mais ampla.

O voo da Hainan Airlines, de Xangai para Pequim, utilizou biocombustível fornecido pela companhia China National Aviation Fuel e pela gigante da energia Sinopec, de acordo com um comunicado da fabricante de aviões americana Boeing.

O avião, um Boeing 737, usou uma mistura composta por 50% de querosene de aviação convencional e 50% de biocombustível feito de "óleo de cozinha usado, coletado de restaurantes na China". Uma porta-voz da Boeing confirmou que o voo tinha sido concluído no sábado.

O óleo de cozinha usado tem sido alvo da imprensa chinesa, que critica a forma como o rejeito algumas vezes é reutilizado ilegalmente para consumo humano.

A Sinopec, que foi criticada no documentário ambiental chinês "Under the Dome", alegou que o óleo usado poderia ter um fim melhor. "Isto representa o compromisso determinado da Sinopec em avançar continuamente na inovação científica e tecnológica para promover desenvolvimento verde e com baixa emissão", destacou a Sinopec em um comunicado.

O primeiro voo no mundo movido inteiramente com biocombustível foi realizado em 2012, quando um avião decolou da capital canadense, Ottawa, mas alguns aviões comerciais usaram biocombustíveis misturados com querosene de aviação tradicional, que é derivado do petróleo.

A australiana Qantas e a canadense Air Canada já testaram biocombustíveis em seus voos comerciais. No ano passado, a Boeing anunciou que iria cooperar com a chinesa Commercial Aircraft Corp. para desenvolver biocombustível de aviação. A empresa americana tem um projeto similar com um instituto de pesquisas vinculado à Academia Chinesa de Ciências.

A China é um mercado-chave para a Boeing, que estima que o país vai precisar de 6.020 aeronaves, a um custo estimado em US$ 870 bilhões até 2033.