O teu futuro é duvidoso


De acordo com o Aviation Week, altos funcionários do Pentágono já consideraram o futuro do F-35 comprometido devido ao atraso de seu desenvolvimento e dos avanços tecnológicos das armas de defesa aérea.

Junte em uma panela um atraso de 8 anos. Acrescente um rombo orçamentário com um aumento dos custos de desenvolvimento de 200 para 400 bilhões de dólares. Tempere com um pouco de "fogo amigo" da Boeing que ainda luta para fornecer Super Hornet. Junte tudo e sirva a um mercado que vê radares VHF sendo exibidos na Russia e na China.

O resultado desse receita poderia ser chamado de "Escondidinho de F-35" pois não conhecemos o que nos espera. Perdoem o texto de Dona de Casa, mas não consigo pensar em outra coisa próximo ao meio dia que não seja comida. Independente disso, aquilo que sempre discutíamos nos fóruns agora assombra os corredores de Washington.

Radar VHF Chines JY-27
A situação ainda não beira a crise, como o próprio texto da Aviation Week comenta, mas já é preocupante. O surgimento de radares que operam em bandas de altíssima frequência (VHF) e que poderiam detectar caças furtivos a longa distância com a possibilidade de disparar elementos de controle para sistemas de defesa aérea deixou de ser ficção científica a ponto de já influenciar na próxima geração de bombardeiros estratégicos de longo alcance.

É claro que isso não vai comprometer todo o desenvolvimento de caças furtivos, já que em um conflito, outros recursos seriam utilizados. A eliminação desses radares por uma onda de ataque preliminar, garantiria o caminho dos F-35.

F-35 com armas expostas fora da baia interna
O próprio F-35 quando utilizado após a eliminação das defesas aéreas não se preocupa muito com furtividade, conforme fotos que vimos anteriormente, onde suas armas ficam bem expostas. 

Como brasileiro respiro um pouco mais aliviado, pois o alto investimento que estamos fazendo em um caça de 4ª ++ geração NÃO FURTIVO como o Gripen agora já tem uma boa desculpa. Creio eu... ou não?