Matem o nosso piloto e executaremos todos os seus prisioneiros!


Segundo o Daily Mail, esta teria sido a resposta do governo da Jordânia às ameaças do ISIS em matar o piloto jordaniano Muath al-Kaseasbeh capturado na véspera do Natal ao ejetar de seu F-16 durante uma operação militar sobre uma zona de conflito. 

Os terroristas ameaçavam executar dois reféns japoneses além do piloto caso a Jordânia não libertasse a militante Sajida al-Rishawi, presa desde 2006 por participar de três atentados. Os japoneses infelizmente foram executados apesar do governo concordar com a libertação de Sajida.

A Jordânia ainda tenta efetuar a troca mas ameaçou acelerar a execução de prisioneiros caso o piloto seja executado.  De acordo com a Exame, Sajida é irmã de um dos assistentes mais próximos de Abu Musab al-Zarqawi, então chefe do Al Qaeda no Iraque. 

Foi este braço da rede Al Qaeda que, pouco tempo depois, se transformaria no que é hoje chamado de Estado Islâmico. Até o momento não se tem notícias sobre o estado do piloto.

Atualização

De acordo com o site G1, o Estado Islâmico (EI) divulgou um vídeo nesta terça-feira (03/02/2015) que mostra o piloto jordaniano Muaz al-Kasasbeh sendo queimado vivo. O governo jordaniano confirmou e afirma que a execução ocorreu um mês antes da divulgação.