Bombardier perde US$ 1,246 bilhão em 2014 após cancelar novo avião


A empresa canadense Bombardier, maior fabricante do mundo de material ferroviário e um dos principais em aeronáutica, anunciou nesta quinta-feira que em 2014 perdeu US$ 1,246 bilhão, devido a perdas no valor de US$ 1,590 bilhão no último trimestre. 

A companhia canadense também anunciou a reorganização de sua direção com a nomeação de Alain Bellemere como presidente e executivo-chefe em substituição de Pierre Beaudoin, que passa a ser o presidente-executivo do conselho de administração. 

Laurent Beaudoin, que ocupava até agora a presidência do conselho de administração, passou a ser presidente emérito após mais de 50 anos à frente da empresa. Em 2014, a Bombardier teve receita de US$ 20,111 bilhão, 10,7% mais que em 2013. Os lucros antes de juros e impostos (Ebit) passaram de US$ 923 milhões neste ano para perdas de US$ 566 milhões em 2014.

As grandes perdas do quarto trimestre do ano são quase exclusivamente devido à decisão de suspender o desenvolvimento do avião reator para uso privado Learjet 85. A Bombardier anunciou um plano financeiro para conseguir cerca de US$ 2,1 bilhões de capital através da emissão de ações no valor de US$ 600 milhões e de dívida a longo prazo no valor de até US$ 1,5 bilhão. 

A unidade de negócio Bombardier Aerospace (BA), que produz aviões, teve em 2014 um Ebit negativo de US$ 995 milhões, frente aos US$ 418 milhões de lucro em 2013, enquanto a Bombardier Transportation (BT), dedicada a material ferroviário, lucrou US$ 429 milhões, 15% menos que no ano anterior. 

A receita em 2014 da BA chegou a US$ 10,499 bilhões, 11% mais que em 2013, enquanto os da BT foram de US$ 9,162 bilhões, 9,6% de aumento.

EFE