Pesquise no Site

Mais um na briga

Em meados de 2015, a fabricante de aeronaves Irkutsk lançará os dois primeiros protótipos do avião leve de treinamento básico Yak-152. Desenvolvida pelo escritório de design Yakovlev, a aeronave tem como objetivo treinar pílotos em estágios iniciais de preparação para voos. A execução total do ciclo de voos de testes está planejada para 2015 e o início da produção em série do avião para 2016.

O avião será usado pela Força Aérea da Rússia na formação básica de pilotos. Neste estágio, os cadetes aprendem os fundamentos do voo simples e a decolar e pousar em diversas situações. Os instrutores russos apelidaram estes estágios de “voos panqueca”, em alusão à facilidade de realizá-los. “Os alunos terão a oportunidade de realizar operações de treinamento desde o início do curso com estes aviões”, afirmou à Gazeta Russa um representante do Ministério da Defesa.

Em um segundo momento, os cadetes passarão por estágios avançados que incluem o aprendizado de manobras acrobáticas, vôos noturnos e em condições meteorológicas adversas. Para tanto, o Yak-152 oferecerá aos alunos níveis superiores de segurança, apresentando sistemas de navegação modernos e assentos ejetáveis SKS-94M, que serão utilizados em caso de emergência.

O Ministério da Defesa russo planeja unificar os sistema de treinamento básico de voo usando o Yak-152. Isso significa que os futuros pilotos de caça e caça-bombardeiros serão treinados em conjunto com os futuros comandantes de bombardeiros estratégicos, aviões de transporte e até helicópteros. 

“O Yak-152 será a aeronave básica do estágio de treinamento conjunto da Força Aérea. Todos os futuros pilotos passarão pelo Yak-152 para depois usarem aviões de treinamento mais especializados. Por exemplo, os futuros pilotos dos caças Su-35 e T-50 serão treinados em um segundo momento nos modernos Yak-130. Já os futuros pilotos dos bombadeiros Tu-122 e Tu-160 passarão do Ya-152 para uma versão modificada do ex-avião de passageiros Tu-132 UBL”, afirmou à Gazeta Russa uma fonte no Ministério da Defesa.

Extraído do site do fabricante
Alta demanda

Atualmente, observa-se um acirramento da competição no ramo dos aviões de treinamento e ataque leve. Talvez a mais famosa concorrência mundial em andamento envolve os famosos treinadores brasileiros Super Tucano, fabricados pela Embraer, e os suíços PC-7 e PC-9, desenvolvidos pela Pilatus. Além deles, há vários projetos em andamento, como por exemplo o italiano M-290, produzido pela Aermacchi e adquirido pela Finlândia e pelo México, e o polonês Orlik, adquirido pela Força Aérea da Polônia.  

No início dos anos 2000, a empresa americana Beechcraft comprou a licença para a produção local do Pilatus PC-9. Sob a designação T-6 Texan 2, o turbo-hélice é usado para o treinamento básico de pilotos em diversas forças aéreas e marinhas, incluindo as dos Estados Unidos, Canadá, Israel, Alemanha e Nova Zelândia.

Estes mesmos aviões de treinamento têm demonstrado grande eficácia em missões de ataque leve. O Super Tucano, particularmente, vem sendo empregado com sucesso pela Força Aérea da Colômbia para atacar bases de traficantes de drogas e em outras missões de combate a insurgentes. 

“O desenvolvimento de novos armamentos inteligentes, bem como a utilização de bombas guiadas por laser e por sistemas de navegação por satélites, como a americana JDAM, transformaram estes aviões em uma excelente opção de baixo custo. Devido ao alto desempenho dos armamentos utilizados, estes aviões realizam missões de ataque de forma segura, lançado mísseis e bombas fora do alcance das armas inimigas, principalmente mísseis antiaéreos portáteis (Manpads) e canhões de baixo calibre, utilizados por rebeldes e narcotraficantes”, explicou à Gazeta Russa Anton Lavrov, especialista militar independente e autor do livro “O Novo Exército Russo”.

Perspectivas de exportação

Por enquanto, é difícil avaliar o potencial de exportação da nova aeronave russa, mas acredita-se que já existem clientes estrangeiros interessados em sua compra. A alta demanda por aeronaves deste tipo faz do Yak-152 um grande atrativo a missões de treinamento e ataque leve.

Em uma entrevista à agência de notícias ITAR-TASS, o vice-diretor do escritório de design Yakovlev, Roman Taskaev, afirmou que “é planejada a produção em série de muitos exemplares desta nova aeronave, e que seu preço será acessível, o que tornará o Yak-152 uma opção competitiva no mercado externo”.

As empresas russas fornecedoras da Yakovlev já estão se preparando para a produção do novo avião, familiarizando-se com os novos componentes. Isso é necessário porque algumas peças da aeronave, como o motor a diesel de 400 cavalos, ainda são pouco usadas pelos fabricantes russos. Até o final deste ano, serão confirmadas as versões finais do design e a lista de componentes, bem como a preparação da documentação da nova aeronave.


Nota: Segundo o site da Jane's, esta aeronave utilizará um motor turbo hélice e esta sendo desenvolvida em parceria com a empresa chinesa Hongdu. Porem, a versão chinesa, designada como CJ-7, será movida por um motor a pistão. 

A página do fabricante russo não deixa claro esta questão do motor, mas pela imagem e devido a potencia informada, acredito que também seja um motor convencional. Provavelmente um Vedeneyev M14P ou equivalente, utilizado nos acrobáticos Su-31 e Yak-55

De qualquer forma, será mais um treinador a brigar por um mercado extremamente concorrido.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...