TAP: Take Another Plane?


Vida de blogueiro não é fácil. Acordar cedo ou dormir muito tarde atrás de alguma notícia que ainda não tenha sido publicada por muitos sites é uma tarefa difícil. Para facilitar existem alguns artifícios, como o Google Alerta. 

Trata-se de um recurso do Google para lhe mandar um e-mail toda vez que uma notícia com palavras como AVIÃO, FAB, BOEING, etc, aparecer no site de pesquisa. Nem sempre dá certo. Fico irritado quando a ferramenta pega acidentalmente uma notícia sobre a banda "Aviões do Forró" ou sobre a novela da seis, porque nela tem um piloto de avião.  

Outra falha da ferramenta é que ela não pega noticias de todos os sites. Grandes jornais como a Folha e o Estadão parecem "fugir" desses mecanismos do Google. Fora isso, ela é um bom recurso para se manter informado. Toda essa introdução é para leitor entender o porquê do título dessa matéria. 

Take Another Plane, ou "Pegue Outro Avião", foi uma piada usada por um professor meu há uns 30 anos atrás para falar da companhia aérea TAP. Não sei porque ele usou essa expressão. Talvez tivesse apenas tido uma experiência ruim com a empresa, mas aquela piada ficou na minha cabeça. Nos últimos anos, após me informar melhor, desfiz essa péssima imagem que me foi passada.

Porém, o que esta me chamando a atenção agora é a quantidade de Google Alertas que aparecem na minha caixa postal sobre incidentes com a TAP. Aparentemente, a estatal aérea portuguesa está vivenciando uma forte crise.

Segundo o site Público em uma matéria explicando a greve de pilotos marcada para o dia 9 de agosto, a crise seria por conta de uma série de fatores, entre eles, falta de aeronaves e atraso na entrega de novos aviões, conflitos entre a administração e pilotos, além de aquisições questionáveis, como a unidade de manutenção no Brasil.

A política de austeridade imposta pelo governo português resulta em cortes salariais e provoca a saída de profissionais qualificados. A falta de pilotos tem causado uma sobrecarga nas tripulações, que não podem ultrapassar um dado número de horas de voo. 

A substituições de pilotos de última hora, causam atrasos e até cancelamentos. Esses atrasos e cancelamentos, tem obrigado as agências de viagens a buscar alternativas e contratar empresas estrangeiras para fugir da TAP.

Para alguns políticos da oposição ao atual governo, essa "crise" estaria sendo fabricada para forçar a privatização da empresa.

Se é um problema político ou de gestão, o fato é notícias sobre incidentes relacionados com segurança de voo tem sido relatados com mais frequência. Nos últimos meses, pelo menos três matérias chamavam a atenção para pousos de emergência, regressos ao aeroporto e paradas não programadas para verificação.

Na última delas, um avião que fazia a ligação Recife-Lisboa foi obrigado a aterrar na ilha do Sal, em Cabo Verde, porque sinais da presença de fumaça no avião estavam acesos. 

O descontentamento de funcionários e clientes com o serviço prestado, já não seria um sintoma de que algo está muito errado? Será necessário alguma tragédia para que algo mais drástico seja feito? Será que devemos "Pegar outro avião"?

Em tempo: No dia seguinte a esta publicação, o site TVI24 reportava que um avião da TAP que fazia a ligação entre o Porto e Milão teve de aterrar 10 minutos após levantar voo. Uma avaria no aparelho impediu a continuação da viagem. Os passageiros foram alojados num hotel da cidade.

Segundo o site Notícias ao Minuto, um porta-voz da TAP defendeu que os incidentes com aviões da empresa que têm sido noticiados nos últimos dias são produto de uma "atenção excessiva da comunicação social"(???). Seria isso uma piada de português?