Pesquise no Site

Laser coloca aviões de Ribeirão em risco


Do início do ano até esta terça-feira (24), os passageiros de, pelo menos, 23 aviões foram colocados em risco em Ribeirão Preto devido aos disparos de laser contra essas aeronaves. As ocorrências colocam o aeroporto Leite Lopes como o segundo mais perigoso do Estado nesse sentido em 2014, com 64% de casos a mais do que o aeroporto de Guarulhos.

Somente na sexta-feira passada, três pilotos relataram ao Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) terem sofrido problemas com laser na região do Leite Lopes.

Um dos pilotos, que conduzia um Airbus 320 da TAM, com capacidade para 174 passageiros, informou que o feixe de luz verde foi disparado contra sua cabine por cerca de um minuto, durante o pouso da aeronave, às 23h50.

Ele diz que foi obrigado a desligar as luzes para tentar despistar o autor dos disparos e que “por segundos” não teve que arrematar o pouso devido ao ofuscamento de sua visão.

De 2012 até agora, foram 145 ocorrências em Ribeirão e região relatadas por pilotos ao Cenipa. No Brasil, já são 4,1 mil casos nesse período.

Neste ano, pilotos informaram que disparos de laser também são provenientes de Jardinópolis, Adamantina e Cravinhos. Esses casos são contabilizados como Ribeirão Preto devido à origem ou destino ser o Leite Lopes.

Lei

Os riscos para a aviação levaram o vereador André Luiz (PCdoB) a propor projeto de lei dificultando a venda das canetas que disparam o laser. Ele foi aprovada pela Câmara e sua promulgação pela prefeitura foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (23).

Segundo a lei, o comércio não pode vender canetas para menores de idade e deve afixar cartazes com esse alerta. Quem descumprir pode ser multado em R$ 6 mil.

A lei prevê que apenas canetas com potência de 1 MW (megawatt) podem ser usadas em Ribeirão. Nesta terça, o A Cidade encontrou produtos com potência alegada de 3000 MW. Para a lei entrar em vigor, a prefeitura ainda precisa baixar decreto com a sua regulamentação – indicando, por exemplo, quem realizará a fiscalização.

O decreto pode, também, corrigir brechas deixadas pela Câmara, já que a lei não diz qual será a punição para o usuário ou para os comerciantes que venderem produtos com potência acima do permitido.

Apesar de risco real, compra é fácil

O tenente-coronel Aviador Márcio Vieira de Mattos, investigador do Cenipa, diz que as canetas laser causam riscos reais para a aviação.

“As principais ocorrências registradas são no momento de aproximação e pouso. Em alguns casos, ocorre cegueira momentânea do piloto e a distração pode levar à quebra de procedimentos”, alerta.

Ele diz que crianças e adolescentes são as principais “fontes” dos disparos, e que é preciso conscientizá-los do risco. “Eles não sabem que essa brincadeira não é inofensiva, podendo acarretar em sérios acidentes”, afirma.

Na manhã desta terça, a reportagem do A Cidade esteve no Centro Popular de Compras (CPC), no centro de Ribeirão Preto, e encontrou ao menos cinco lojas comercializando a caneta laser - com potência indicada na embalagem de 5 MW a 3000 MW e custo entre R$ 40 a R$ 80.

“Dizem que até derruba avião”, disse um vendedor. Dois comerciantes alertaram sobre os riscos que a caneta causa à visão se apontada para os olhos. Segundo Mattos, “o controle das vendas do produto é positivo para a aviação”.

Dano à visão pode ser irreversível

Se o feixe de luz estiver alinhado com o eixo visual, haverá ofuscamento da visão. É o que conhecemos como “adaptação dos cones”, um mecanismo de defesa natural em que as pupilas se contraem. Mesmo quando o feixe de luz termina, o ofuscamento pode durar por até dez segundos, pois a retina está se adaptando às novas condições. Depois disso, ainda pode ocorrer um incômodo visual por mais 30 segundos, com o que conhecemos de geração de imagens falsas, com espécie de “pontos” aparecendo na nossa vista. Não há dados precisos do tempo necessário para prejuízos graves, mas 30 segundos de exposição direta ao feixe de luz gerado por esses lasers pode acarretar danos irreversíveis à visão - André Messias, docente da USP e médico no HC-RP

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...