Pesquise no Site

Venezuela: Preços dos bilhetes aumentam quase 500%


O preço dos bilhetes de avião comprados em Caracas vão aumentar quase 500%, a partir de 1 de junho, anunciou hoje o presidente executivo da Associação de Linhas Aéreas da Venezuela (ALAV), Humberto Figueira.

O anúncio foi feito durante uma entrevista ao canal venezuelano de televisão, 'Venevisión', citando conversações entre o ministro venezuelano do Transporte Marítimo e Aéreo, Hebert Garcia Plaza, e representantes de várias linhas aéreas.

"O ministro Garcia Plaza anunciou, nas reuniões com responsáveis das linhas aéreas, que a partir de 1 de julho se calcularão os bilhetes ao câmbio de Sicad-2", disse em declarações ao canal de televisão venezuelano 'Venevisión'.

A Venezuela tem três cotações oficiais, a primeira delas, a de 6,30 bolívares (bs) por cada dólar norte-americano, reservada para a importação de produtos essenciais como medicamentos e alimentos, dependendo as outras duas cotações do valor variável de leilões do Sistema Complementar de Administração de Divisas - Sicad.

Até agora, a cotação usada para o pagamento de viagens e atividades relacionadas com o turismo era a do Sicad-1, que nas últimas semanas se manteve estável em 10,00 Bs por cada dólar norte-americano, enquanto que o Sicad-2 hoje estava a 49,98.

Segundo Humberto Figueira, a mudança da cotação permitirá às linhas aéreas vender bilhetes a quase 50,00 bs por dólar, "mas se vão receber com regularidade as suas divisas isto poderá ser muito benéfico para o custo final do bilhete, porque poderão abrir inventários e ao haver mais lugares, baixar os preços".

"Hoje em dia alguns preços estão elevados porque não há suficientes lugares no mercado e porque as linhas aéreas têm um custo financeiro muito elevado, referente a todo o dinheiro que têm que pagar à casa matriz para manter as suas operações na Venezuela", disse.

Na Venezuela está em vigor, desde 2003, um apertado sistema de controlo cambial que impede a livre obtenção de moeda estrangeira no país e obriga as companhias aéreas a terem autorização para poderem repatriar os capitais gerados pelas operações.

O Governo da Venezuela deve quatro mil milhões de dólares (2,94 mil milhões de euros) às companhias aéreas internacionais por repatriação dos capitais e lucros correspondentes às vendas de bilhetes aéreos desde 2012, que tem sido dificultada pelas leis cambiais vigentes.

As dificuldades levaram a Air Canadá e a Alitalia a suspenderem, recentemente, os voos para Caracas, enquanto a Lufthansa decidiu suspender a venda de novos bilhetes.

Hoje o ministro venezuelano de Economia, Finanças e Banca Pública, Rodolfo Marco Torres anunciou que a Venezuela concretizou o pagamento de dívidas às linhas aéreas, correspondentes às vendas dos anos 2012 e 2013, à AeroMéxico, Insel Air, Tame Equador Aruba Airlines, Avianca e Lacsa-Taca.

A ALAV estima que na próxima semana grandes empresas como a Air France e a American Airlines poderão receber o valor das dívidas, à cotação de Sicad-1 (10,00 bs por dólar).

Segundo a Associação de Companhias Aéreas da Venezuela, 11 das 26 transportadoras que voam para Caracas reduziram, desde janeiro, a oferta de lugares e a frequência dos voos, nalguns casos até aos quase 80%, devido à impossibilidade de repatriar os capitais correspondentes às vendas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...