Itália deve cortar o pedido de F35 e vender porta-aviões velho


Segundo o site The Aviationist, embora nada tenha sido decidido ainda, dificilmente a compra de 90 F-35 vai sobreviver aos cortes já anunciados pelo o novo primeiro ministro italiano. A Itália planeja economizar 3 bilhões de euros  com diversas medidas como venda de instalações militares, redução de pessoal e cortes.

Alguns meios de comunicação estimam um corte drástico de metade do planejado. Para se ter uma ideia, originalmente a Itália pretendia adquirir 131 F-35 para substituir a frota de Tornados, AMX  e Harriers da Marinha Italiana.

O comitê de defesa do Partido Democrático acaba de publicar um artigo sobre o estado atual  dos sistemas de defesa da Itália, destacando a necessidade de uma redução dos F-35. O documento prevê uma Força Aérea com dois aviões de combate de primeira linha: o F-35 e o Eurofighter.

Outra questão levantada pelo documento é o custo de dois porta-aviões da Marinha italiana. Provavelmente o Garibaldi, o primeiro porta-aviões do pós-guerra, deverá ser desativado e vendido para algum país emergente que esteja a procura de um porta-helicóptero capaz de suportar operações de assalto anfíbio. 

- Ai meu Deus! Toda vez que alguém fala em "venda para pais emergente" eu fico assustado!!!