Saindo do papel


O aeroporto privado Catarina, projeto da construtora JHSF localizado em São Roque, vai iniciar as obras em fevereiro. A construtora obteve nesta sexta-feira (3) o último documento que faltava para iniciar as obras, a licença de instalação, emitida pela Cetesb.

Projeto avaliado em R$ 500 milhões em sua primeira etapa, o aeroporto terá uma pista de 1.940 metros –equivalente a pista principal de Congonhas– dedicada à aviação executiva e está previsto para ser inaugurado no segundo semestre de 2015.

A ideia inicial era inaugurar o aeroporto antes da Copa, mas o processo de licenciamento ambiental e de autorizações regulatórias demorou mais do que o previsto. "A Copa seria apenas uma operação, mas o aeroporto não depende de um evento como o mundial e sim da operação mês a mês", diz Rogério Lacerda, diretor de incorporações da JHSF.

O sítio do aeroporto de São Roque está localizado a 62 km do centro de São Paulo, pela Rodovia Castelo Branco. "Dá 45 km saindo de Pinheiros e 10 a 12 minutos de helicóptero", diz Lacerda.

A primeira fase do projeto inclui a construção de uma torre de controle, 50 mil m² de hangares e 50 mil m² de pátios de estacionamento de avião. A segunda fase do projeto prevê a ampliação da pista para 2.470 m.

O aeroporto vai integrar uma espécie de mini-cidade que a JHSF está construindo em São Roque, o Parque Catarina. O empreendimento ocupará os dois lados da Castelo na altura do km 62.

De um lado fica o aeroporto. Na outra margem está sendo construído um shopping (Catarina Fashion Outlet) e três torres de escritórios (Catarina Corporate Center). Em uma segunda etapa, o projeto prevê a construção de um centro médico e hospitalar, uma escola ou faculdade e um hotel.

O shopping inaugura neste primeiro semestre, enquanto as torres de escritório devem ficar prontas junto com o aeroporto.

AEROVALE

O aeroporto do Parque Catarina deve ser o segundo aeroporto privado dedicado a aviação executiva a ser inaugurado em São Paulo desde que o governo liberou esse tipo de exploração, no ano passado.

O primeiro, Aerovale, na região de Caçapava, está prometido para maio deste ano. Trata-se um projeto de R$ 250 milhões de um empresário da região do Vale do Paraíba, Rogério Penido.

O aeroporto está localizado em Caçapava, a 123 km da capital, entre as rodovias Carvalho Pinto e Presidente Dutra. A pista terá 1.550 metros e o complexo abrigará um distrito industrial e comercial.

Um serviço de táxi aéreo, operado pelo mesmo grupo empresarial, deve conectar o Aerovale ao Campo de Marte, na zona norte da capital paulista.

Lacerda, da JHSF, diz não temer a concorrência. "Há espaço. O mercado comporta mais um ou dois aeroportos para a aviação executiva".

O Brasil possui a segunda maior frota de aeronaves executivas do mundo e carece de hangares e pátios de estacionamento.