Retrospectiva: Os micos que foram notícia

F16 no AMARG: Felizmente apenas um boato
Ninguém é perfeito. Todos erramos e com isso aprendemos. A mídia especializada não é exceção. Este ano alguns palpites baseados em rumores ou mesmo equívocos da imprensa leiga ganharam força ao serem repetidos em sites especializados que geralmente são referencia para os entusiastas.

Quem não se lembra da possível compra de F-5 chilenos pelos uruguaios que foi postada por um site Peruano e repetido aqui no Brasil. Ou mesmo do possível F-16 tampão que a FAB estaria estudando segundo fontes da aeronáutica. Nenhuma das duas notícias se concretizaram, mas foram assuntos de fóruns e grupos de discussão durante muitos dias.

Quando a mídia portuguesa falou que a OGMA teria 40% de participação no avião KC390 da Embraer muitos aqui repetiram essa informação. Mais tarde tiveram que corrigi-la retificando o valor para 4%. É um erro pequeno mas que poderia ser evitado com um simples e-mail ou telefonema para alguém da Embraer.

No início do mês alguém lá fora publicou que Angola estaria comprando o porta-aviões espanhol desativado Príncipe de Asturias. Lá vai a mídia especializada pagar mico dando força ao boato. 

Em outubro, quando dois TU-160 russos visitaram a Venezuela, alguns sites da mídia local publicaram que esses bombardeiros seriam incorporados a Aviação Militar Bolivariana. Eu também na empolgação acabei repetindo isso por aqui. Fui obrigado a editar a matéria e pedir desculpas a todos.

Em quase todos esses exemplos a coisa começa lá fora. A partir de um site não especializado que publica algo que não é devidamente confirmado. Ao ser repetido começa o efeito bola de neve.

Como evitar? Acho que a melhor forma seria buscar mais informação. Consultar as principais mídias eletrônicas, consultar os sites dos Ministérios da Defesa envolvidos, consultar sites especializados e porque não, consultar os amigos que estão lá fora.

Mesmo com esses micos, ainda considero a nossa mídia especializada um padrão a ser seguido. Só não gosto quando ela se cala. 

No episódio do Aeroporto de Maricá poucos blogs se manifestaram. Atualmente, tem pista de pouso no triângulo mineiro sendo fechada pelos fazendeiros para evitar o uso por traficantes. A FAB lava as mãos dizendo que isso é coisa de polícia. Já os blogs especializados não escrevem uma linha sobre o assunto.

A quem devemos recorrer? Ao Facebook?