ABS: Finalizado o primeiro avião em Apucarana


O primeiro avião fabricado em Apucarana ficou pronto nesta semana. A ABS Indústria de Aeronaves, instalada no Aeroporto Municipal Capitão João Busse, terminou a montagem da primeira aeronave, que já foi comercializada. O avião, com custo estimado em R$ 250 mil, deve render aos cofres do município cerca de R$ 25 mil.

De acordo com o diretor de comercialização da ABS, Milton Hossaka, a aeronave deverá ser liberada para voo em breve, assim que a Agência Nacional de Aviação Comercial (Anac) entregar as últimas documentações. “Ele está pronto para o voo, mas ainda precisa de duas autorizações da Anac: o Certificado de Autorização de Voo (CAV) e o Certificado de Marca Experimental (CME). É como se fosse o licenciamento de um automóvel junto ao Detran”, explica.

Mesmo sem autorização para decolar, o avião deverá receber a visita do comprador na próxima semana, segundo Hossaka. “O comprador é um dentista da cidade de Itapema, Santa Catarina, que possui a permissão para pilotagem e já tinha um avião do mesmo modelo. Ele vendeu esse avião mais antigo para comprar um novo e deve vir para Apucarana nos próximos dias”, diz o diretor da empresa.

O avião comercializado, modelo Alpha Bravo Super, é um dos mais utilizados em todo o mundo em seu segmento. Baseado em um projeto alemão, ele é quase todo feito com tecnologia brasileira – apenas o motor é da Áustria. A aeronave tem autonomia de voo de aproximadamente cinco horas, podendo decolar de Apucarana e pousar no Rio de Janeiro sem parar para reabastecer.


O prefeito de Apucarana, Beto Preto (PT), destaca o trabalho da empresa, a primeira do ramo aeronáutico a se instalar no município. “É uma emoção muito grande estar aqui no hangar do aeroporto, podendo testemunhar o primeiro avião montado em Apucarana. Quem diria que teríamos aeronaves sendo feitas na nossa cidade? Esse é um momento muito importante e muito marcante para a história do município”.

Cada avião desse mesmo modelo deve render aos cofres do município cerca de R$ 25 mil. No entanto, Beto Preto afirma que o maior ganho é em representatividade. “O resultado principal não é o ganho econômico para o município, não é o aumento da arrecadação. O mais importante de tudo isso é que a ABS coloca Apucarana no mapa dos aeroportos brasileiros. O aeroporto começa a ser visto”.

Ele destaca ainda a nova fase pela qual passa o aeroporto municipal. “O aeroporto começa a se movimentar novamente. Em breve, com a escola de pilotagem pronta, teremos ainda mais fluxo de pousos e decolagens. E ainda queremos inclui-lo no Programa de Investimentos em Logística, do Governo Federal”, explica. A empresa espera que, para 2014, seja criada a Alpha Bravo Escola de Aviação, que deve realizar entre 30 e 40 pousos e decolagens diariamente. Nos últimos 30 dias, o aeroporto registrou cerca de 45 pousos e decolagens. Em meses anteriores, o número não chegava a 20.

Já a linha de produção da empresa, que funcionará no antigo prédio do Instituto Brasileiro do Café (IBC), deve ficar totalmente pronta no final de janeiro. Mas alguns serviços já são realizados no local. A expectativa da empresa é de que sejam comercializados dois aviões por mês, mas a linha de produção terá capacidade para até cinco aeronaves mensais.

TNOnline